CFF apresenta sistema para registros de títulos de pós-graduação Lato sensu

Numa iniciativa de sua Comissão de Ensino Farmacêutico (Comensino) e de sua Coordenação de Tecnologia da Informação, o Conselho Federal de Farmácia (CFF) colocará, em atividade, um sistema que gerenciará os processos e dados relativos aos registros para títulos de cursos livres, sem caráter acadêmico, para especialização profissional nas áreas de atuação do farmacêutico. O projeto piloto do sistema entrará em funcionamento já no início do próximo ano no Conselho Regional de Farmácia do Distrito Federal (CRF-DF). “A expectativa é a de que a informatização proporcione maior agilidade na tramitação dos processos de registros dos títulos de especialista, além de proporcionar facilidade de acesso e visibilidade aos dados de farmacêuticos detentores desses títulos”, explica o presidente do CFF, Walter da Silva Jorge João.

O presidente da Comensino, William Peres, explica que o objetivo do sistema é dar visibilidade tanto aos cursos de especialização devidamente registrados, como ao contingente de farmacêuticos com títulos de especialista – onde eles estão e em que áreas e instituições de ensino, associações e sociedades científicas nas quais eles se especializaram. “Além disso, pretendemos proporcionar à sociedade os meios para verificar se os especialistas que se colocam ao seu serviço possuem títulos válidos, em acordo com os requisitos estabelecidos pela Resolução CFF Nº 674/2019 e demais legislações vigentes”, observa William Peres.

Os títulos de especialista agregam valorização profissional aos farmacêuticos, garantindo, por exemplo, maior pontuação em concursos públicos ou mesmo uma maior remuneração em contratos na rede privada. “Todos os títulos de cada profissional ficarão armazenados em um grande banco de dados”, alerta Jairo Sotero, membro da Comensino. “Isso vai facilitar a conferência da autenticidade dos títulos pelas bancas examinadoras dos concursos com vistas às pontuações justas dos candidatos”, acrescenta.

Junto com a entrada do sistema em atividade, o CFF vai deflagrar uma grande campanha para que os farmacêuticos com títulos de especialista deem entrada nos conselhos regionais de Farmácia com os pedidos de registro. “De nada adianta ter um título de especialista trancado na gaveta. Temos colegas que esperaram 20, 25 anos para pleitear os registros de seus títulos, o que configura um grave problema, visto que algumas das instituições de ensino que os emitiram sequer existem mais”, acrescenta William Peres, que conta com a adesão dos conselhos regionais de Farmácia, que serão os responsáveis por acolher esses pedidos e fazerem a análise inicial dos documentos. Com o sistema, toda as informações estarão concentradas em um único banco de dados.

O presidente da Comensino destaca o esforço da Diretoria do CFF, que disponibilizou todas as condições necessárias à execução do projeto. Importante destacar que o desenvolvimento do sistema demandou exclusivamente tempo e expertise da equipe da TI, não envolvendo investimento de recursos financeiros. Ele pediu apoio ao Plenário do CFF para que o sistema seja colocado em prática. “Lamentavelmente temos instituições de pós-graduação de toda espécie no mercado, e tanto o farmacêutico precisa saber se aquela que ele escolheu está regular, quanto a sociedade precisa se assegurar que aquele profissional foi titulado por uma instituição séria, que respeita as normativas vigentes e se preocupa com a qualidade do ensino que está ministrando”, acrescenta.

Fonte: Comunicação do CFF

Skip to content