Para a História: Nova sede do CRF-SC inaugurada


Na noite da última quarta-feira, 20 de dezembro, aconteceu a inauguração da nova sede do Conselho Regional de Farmácia de SC, localizada na Rua Crispim Mira, no centro de Florianópolis. Um dia histórico para os farmacêuticos catarinenses que passam a ter uma nova casa, um sinal de avanço e prosperidade. Um local de trabalho que passa a ser uma oficina do pensamento e da articulação dos farmacêuticos na busca da valorização da profissão e de toda a categoria.

O evento foi prestigiado por diversas entidades e autoridades, farmacêuticos de todas as regiões do estado, ex-presidentes e funcionários do CRF-SC. Registraram presença na solenidade o Conselho Nacional de Saúde, a SBFFC, o Sindlab, Sindfar a Fenafar e aAnfarmag. O presidente do Conselho Federal de Farmácia, Walter da Silva, Jorge João também compareceu e destacou a grande contribuição dos farmacêuticos de Santa Catarina, participando das comissões do CFF e sendo reconhecidos em todos o país pela sua capacidade articulação em vários setores. Exaltou a contribuição marcante do CRF-SC ao crescimento e avanço da profissão Farmacêutica nacionalmente.

Primeira a fazer uso da palavra a presidente do CRF-SC, Hortência Tierling, destacou que a nova sede é fruto do trabalho dos farmacêuticos catarinenses nos mais de 50 anos de existência do CRF-SC. “A partir daqui (nova sede) é que vamos continuar irradiando os processos de valorização dos farmacêuticos, com reuniões, capacitações, cursos e palestras, embates jurídicos e articulações necessárias. Acho importante enfatizar que este patrimônio está sendo entregue sem deixar dívidas para a categoria, e sem necessitar se desfazer o patrimônio existente. A inauguração deste espaço tão importante para os farmacêuticos encerra meu ciclo na Presidência. disse.

Hortência, destacou ainda, outro legado, para além da estrutura física que é o patrimônio imaterial acumulado. “Durante estes anos, conseguimos levar o estado de Santa Catarina a alcançar os melhores índices de assistência farmacêutica do país. A nossa gestão, com o apoio dos fiscais e dos funcionários, não tem medido esforços para cumprir a função, por lei determinada, de um conselho profissional: que é a fiscalização e o zêlo pela ética. Como resultado visível deste trabalho, temos, no estado, um regime de pleno emprego no setor.” ressaltou a presidente.

“Este patrimônio imaterial a que me refiro se estende pelas áreas da articulação técnica, política, institucional e jurídica. Alinhamos ações com outros Conselhos do país, ou de outras categorias. Lutamos contra os cursos de EAD na área de saúde, e contra o Ato Médico, por acreditarmos que a melhor maneira de fazer saúde é de forma multidisciplinar, e não centralizada.

A vice presidente Karen Denez também destacou a importância da fiscalização que tem um impacto muito grande na geração de postos de trabalho para a categoria. “Nós somos um dos poucos estados do brasil onde todos que se formam podem começar imediatamente a exercer a vida profissional, mesmo em meio a maior crise econômica da história do país.

Para Karen, o movimento farmacêutico catarinense tem se posicionado com muita firmeza ao longo destes últimos 14 anos sobre os interesses que defende. Interesses relacionados ao valor do trabalho, ao fortalecimento da autoridade técnica, à união dos diversos setores da categoria. “O conjunto de ações estratégicas na área da articulação política, na esfera legislativa, na elaboração de leis, normas e resoluções, é uma pequena parte. Tem também o trabalho jurídico em defesa dos interesses dos farmacêuticos, o esforço de capacitação da categoria e o empenho em valorizar a profissão em todas as áreas.”

A vice-presidente ressaltou ainda que no Conselho Regional de Farmácia de Santa Catarina, não se tem presunções de ser detentor de todo o conhecimento. “Por isto somos abertos ao novo, procuramos aprender sempre. Por isto fomos contra o ato médico, e defendemos os múltiplos saberes, e os processos interdisciplinares no campo da saúde.

O tesoureiro do CRF-SC, Paulo Sergio de Araújo que ocupou o cargo nos últimos 14 anos destacou o trabalho desenvolvido para modernizar a infraestrutura do CRF-SC, primeiro expandindo o Conselho pelo estado, através de seccionais, e depois a busca de recurso para comprar este prédio. “Investimos 5 milhões de reais. Dos quais, um milhão vindo do CFF, por empréstimo – em uma postura republicana e estadista do presidente Walter Jorge João.

Araújo apontou a necessidade urgente que se apresentava para o CRF-SC de um novo espaço para construção do trabalho da categoria. “Fizemos, o que precisava ser feito. Com esta sede, podemos dar um salto de qualidade no atendimento a todos os colegas farmacêuticos do estado e ganho de produtividade no trabalho interno dos funcionários da sede.

O tesoureiro do CRF-SC que deixa o cargo neste gestão, ressaltou ainda a lisura com que conduziu os trabalhos no período em que esteve a frente da função. “Entrego esta gestão com a alegria de dizer que a missão foi integralmente cumprida. Nossas contas são auditadas todo ano pelo TCU e pelo próprio CFF. Podemos ser fiscalizados a qualquer momento conforme as leis e normas vigentes da administração pública. apontou.

Todos os diretores destacaram os novos desafios urgentes a serem vencidos daqui pra frente, os novos avanços a serem conquistados. É unanime a constatação de que  tudo o que foi feito, ficou a lição de que a valorização dos farmacêuticos depende da união da categoria.