Outorga da Ordem do Mérito Farmacêutico Internacional

Um dos objetivos do Dia Internacional do Farmacêutico, comemorado, em todo o mundo, no dia 25 de setembro é unificar esses profissionais globalmente. No Brasil, o Conselho Federal de Farmácia (CFF) celebrará a data com a outorga da Ordem do Mérito Farmacêutico Internacional, que acontecerá durante a 462ª Sessão Plenária Ordinária do órgão, no dia 29 de setembro, às 9 horas, na sede do CFF, em Brasília. Também serão lançados, na ocasião, a Resolução da Saúde Indígena, que regulamenta as atribuições do farmacêutico no subsistema de Saúde Indígena, e o Programa de TV do CFF.

A mais nova resolução do CFF foi pensada como uma ferramenta de auxílio para o profissional farmacêutico, que atua no subsistema de saúde indígena – sistema de saúde garantido por lei, dede 2012, dentro do Sistema Único de Saúde (SUS). A resolução tratará dos serviços de assistência farmacêutica, análise de água, assim como exames laboratoriais, todos relacionados com a educação em saúde, obedecendo aos sistemas tradicionais indígenas, considerando as especificidades culturais, históricas, geográficas e epidemiológicas dos povos indígenas no Brasil.

O programa de TV do CFF é produzido em parceria com o Conselho Regional de Farmácia do Paraná (CRF-PR), com o apoio dos demais Conselhos Regionais. A programação é voltada para o público adulto de todas as classes sociais e busca mostrar a relação do farmacêutico com a sociedade para divulgar o alcance e a importância da atuação desse profissional para a saúde da população.

De acordo com o presidente do CFF, Walter da Silva Jorge João, a categoria tem muito a comemorar. Ele afirmou no programa Conversa com o Presidente, da Rádio NewsFarma, nesta segunda-feira, dia 25 de setembro, que a profissão farmacêutica tem vivido um grande momento, alcançando grandes conquistas nesses últimos anos. O presidente lembrou que em 2012, quando assumiu a presidência do Conselho Federal, encontrou um cenário totalmente adverso, em que as farmácias eram vistas apenas como um comércio, e a profissão farmacêutica não tinha uma identidade forte como profissional de saúde.

“Nós saímos desse cenário num curto período, para um cenário totalmente inovador. Primeiro por termos conseguido, com muita luta, a aprovação da Lei 13.021/2014, que mudou o conceito de farmácia no País. As farmácias passaram a ser reconhecidas como estabelecimentos de saúde e o farmacêutico recuperou a sua autoridade técnica e passou a prestar serviços voltados para a área clínica, ou seja, para o cuidado à saúde das pessoas”, afirmou Walter da Silva João.

Skip to content