Projeto que usa homeopatia pra tratar dependentes químicos já está em execução em Itajaí

O projeto pioneiro para tratamento homeopático de dependentes químicos de cocaína e crack já está em andamento no município do Itajaí e receberá financiamento do governo federal. O anúncio foi feito na noite de quinta-feira (29) durante a apresentação das etapas do estudo, na Univali. Com a verba de 100 mil dólares (aproximadamente R$ 370 mil) do Departamento de Assistência Farmacêutica do Ministério da Saúde, será possível elaborar em Itajaí medicamentos, realizar exames e capacitar as equipes. Durante a tarde ocorreu uma reunião de trabalho com a participação da presidente do CRF-SC Karen Denez e da presidente da Comissão de Farmácia Noemia Liege Bernardo que coordena o projeto localmente.

A estruturação do projeto CocaCrack3 é a primeira etapa já em execução. São realizadas reuniões com as unidades básicas de saúde que irão aplicar o estudo com os usuários: Promorar II, Cidade Nova I, Cidade Nova II, Nossa Senhora das Graças, Costa Cavalcante e Cordeiros.

A professora da Univali e coordenadora local da iniciativa, Noemia Liege Bernardo, explicou que a segunda etapa consiste na estruturação do Centro de Práticas Integrativas de Complementares em Saúde de Itajaí (CEPICS), que dará suporte às equipes de saúde, bem como fará a continuidade do tratamento dos usuários. A terceira etapa do projeto será a estruturação dos Centros de Atenção Psicossocial (Caps), que também participarão do tratamento dos dependentes. O recrutamento dos usuários deve iniciar no próximo ano.

Ao todo, a pesquisa terá a participação de 120 dependentes químicos, que ainda não tenham feito outro tipo de tratamento, para acompanhamento no período de 12 semanas. Nesse prazo, o objetivo é verificar a eficácia da homeopatia para redução da “fissura” pela droga.

“O tratamento auxilia o dependente a sair da fase aguda, mas ele precisa continuar o tratamento e Itajaí possui toda estrutura para isso, com Atenção Básica, Caps, Consultório na Rua e Centro de Práticas Integrativas”, afirmou a coordenadora regional do projeto e presidente do Conselho Regional de Farmácia de Santa Catarina, Karen Berenice Denez.

Itajaí será polo nacional
O projeto CocaCrack3 vem sendo discutido desde o ano passado, a partir de uma cooperação técnica entre a Prefeitura de Itajaí, por meio da Secretaria Municipal de Saúde, o Conselho Federal de Farmácia, Conselho Regional de Farmácia de SC, a Univali, a Associação Brasileira de Farmacêuticos Homeopatas (ABFH), e órgãos ligados ao Ministério da Saúde. Itajaí foi escolhida para ser polo nacional da pesquisa inédita, pois foi indicada como referência pela boa estrutura de sua rede de saúde.

O prefeito de Itajaí, Volnei Morastoni, ressaltou a importância de poder sediar um projeto que poderá ser replicado em todo país. “É um imenso orgulho poder firmar essa parceria com a Univali para executar o projeto idealizado pelo Conselho Federal de Farmácia. E o grande diferencial é que o tratamento será aplicado nas nossas unidades de saúde”, pontuou.

O reitor da Univali, Valdir Cechinel Filho, afirmou que o projeto reforça a relevância das ciências farmacêuticas e fortalece a parceria entre universidade e poder público. “Temos que parabenizar o município por se permitir investir em ações inovadoras para o combate à dependência química através de sua rede de Atenção Básica”.inovadoras para o combate à dependência química através de sua rede de Atenção Básica”.

Fonte: Município de Itajaí

Skip to content